quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

IMAGENS da LVSITÂNIA - Distrito de Viseu

O património arqueológico e histórico da antiga província romana da LVSITANIA é rico e diverso, e está espalhado por todo o território. Apesar de não termos grandes espaços monumentais, posso garantir que vestígios do nosso passado não nos faltam e que estão por aí, bem debaixo dos nossos pés. Consegui fazer-vos sentir pequenos nesta grande história? Óptimo, a ideia era essa. Agora viagem comigo por ela.

A rede de estradas disseminada por todo o Império foi essencial para a deslocação no apoio militar rápido às legiões romanas na atuação de combate em qualquer ponto de conflitualidade, ao mesmo tempo, demonstrando que uma boa rede viária pode incrementar o desenvolvimento económico-administrativo e social de toda uma região. Estas infraestruturas se ainda persistem ficam muito a dever ao facto da sua técnica inovadora de preparação e construção do terreno, de tal modo que, dois mil anos depois, ainda resistem à evolução dos tempos continuando a fazer parte do nosso quotidiano, na beleza paisagística dos nossos Parques Naturais, por vezes, de acessos difíceis despertando mais o nosso espírito de aventura e redescoberta com ausência de sinalética adequada, contudo, será sempre aliciante o contato com as nossas gentes simples e humildes mas possuidoras dum património único e histórico.

Um outro aspecto a ter em linha de conta é o facto de que na grande maioria dos casos, as pontes “antigas” ou “velhas” são conhecidas como romanas, contudo, os nossos investigadores na sua classificação diferenciaram-nas designando-as de outra forma; as “pontes romanas” são pontes com nítidos indícios romanos, as “pontes romano-medievais” quando em presença materiais romanos reutilizados em posteriores reconstruções na Idade Média e Idade Moderna e, as restantes apesar da ausência de vestígios romanos na sua construção encontram-se no alinhamento de comprovados itinerários romanos sendo possível admitir a existência duma ponte anterior, neste caso, “pontes romana?-medievais”. 


Viseu (VISSAIUM)


A cidade de Viseu está muito associada à figura de Viriato, pois é suposto que este herói Lusitano tenha nascido nesta região. 


Na dinastia de Augusto reorganiza-se política e administrativamente toda a Hispânia, criando-se novos núcleos urbanos e adaptando-se outros já existentes, construindo-se novas vias de comunicação e desenvolvendo-se as preexistentes, nessa mesma altura, Vissaium é apontada como “civitas” e nó de confluência de uma vasta rede viária com destaque para a via imperial Braga a Mérida.

A cidade romana de Viseu tem sido, ao longo dos anos, alvo de estudos e teorias quanto à sua importância, e sobretudo, à implantação e estruturação no espaço urbano. As intervenções arqueológicas que ocorrem, resultantes de projectos de reabilitação e desenvolvimento de infraestruturas de prédios urbanos no centro histórico de Viseu vão fornecendo dados preciosos da malha urbana da antiga cidade, e foi num projecto de reconstrução de um prédio pôs a descoberto os alicerces de um edifício, datado do final do séc. I e início do séc. II, supondo-se tratar de uma insulae (área residencial) no sopé do morro da Sé, junto das que seriam as principais vias romanas da cidade, no cruzamento do decumanus maximus, correspondendo à atual rua do Gonçalinho com o cardus maximus, correspondendo à actual rua Direita e próximas do centro político-administrativo da cidade no Largo da Sé (Forum e Templo), com a realização de obras para a instalação do funicular, junto à rua da Misericórdia, surgiram vestígios arqueológicos de casas da Idade do Ferro (séc. IV/III a.C.) e silos escavados na rocha, mais tarde, já na época romana, serviu de necrópole pelas sepulturas encontradas.



A crise instalada nas fronteiras do império exigiu a construção de uma muralha defensiva (séc. III) em torno da cidade, alguns desses vestígios ainda subsistem, ao fundo da rua Formosa, e


Algumas das suas entradas na cidade até ao Forum (Sé), como a Porta dos Cavaleiros e a Porta do Soar ou Arco dos Melos, outras infelizmente não chegaram aos nossos dias, sendo elas, a porta na rua dos Andrades e rua Direita, a porta na necrópole pela Calçada do Viriato, a porta na rua do Cerrado, a porta na necrópole da capela de S. Miguel de Fetal pela rua Simão Dias, rua do Gonçalinho e rua Direita.


Basílica Paleocristã (fundações) no topo norte da Praça D. Duarte


Cava do Viriato e Fosso - acampamento militar 


Pontão Romano de S. Domingos


Calçada Romana Ranhados/Coimbrões



Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Viseu (Ranhados/Coimbrões), direcção ao campo de futebol, descendo ao pontão romano de S. Domingos sobre a ribeira da Póvoa, passa por baixo da A25 e sobe até à Zona Industrial de Coimbrões 

Ponte Romana?- Medieval da Azenha

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu
Acesso: Viseu (cidade)

Mozelos (Viseu)
Calçada Romana da Srª do Castro

Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Mozelos (EN16), sinalizada na estrada, seguindo pela Estrada Florestal de Mozelos contorna o monte da Capela da Srª do Castro pela esquerda por caminho de terra batida e florestal pouco antes da passagem da IP5

Orgens (Viseu)
Calçada Romana (pequeno troço)

Local: interior do Convento S. Francisco
Estado de conservação: Bom estado
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu
Acesso: Orgens/Viseu (EN337)

Bodiosa-a-Velha (Viseu)
Calçada Romana (pequeno troço)

Estado de conservação: bom estado na sua extensão pelo interior da povoação
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Bodiosa-a-Velha (EN16) – sinalizada na estrada, segue pela rua Principal ao sítio do cruzeiro

Povolide
Calçada Romana da Qtª Stª Luzia
Estado de conservação: falta reconhecer local
Via romana: Viseu a Aguiar da Beira
Acesso: Povolide - acesso defronte do cemitério à esquerda

Couto de Baixo/Torredeita

Calçada Romana das Enforcadas 

Estado de conservação: regular
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Viseu/Figueiró (EN337), na rotunda para Mosteirinho/Couto de Baixo seguir a Torredeita na primeira à direita pela rua dos Enforcados

Ponte Romana da Seara
Estado de conservação: falta reconhecer local
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Torredeita (EN337), seguindo rua da Seara, rua Joaquim dos Santos e rua da Ribeira (?)

Lordosa/Bigas (Viseu)
Calçada Romana da Almargem

Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Viseu – Castro d´Aire - Lamego
Classificação: Imóvel Interesse Público
Acesso: Lordosa/Bigas (EN2) sinalizada na estrada e dentro da povoação

Santar (Nelas)
Calçada Romana
Estado de conservação: calçada romana nas Pedreiras
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Santar

Ponte Romana?
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Santar

Casal de Cima
Calçada Romana
Estado de conservação: falta reconhecer local
Via romana: Viseu a Aguiar da Beira
Acesso: Casal de Cima – no lugar da Igreja

Local de conservação: 2 colunas encastradas num muro de Casa Família Xavier
Acesso: Casal do Fundo

Rio Moinhos (Sátão)
Ponte Romana?- Medieval de Vouguinha
Estado de conservação: falta reconhecer local
Via romana: Viseu a Moimenta da Beira/Lamego
Acesso: Viseu/Sátão (EN229) em Cavernães e (EN323) a Cepões a Vouguinha sobre rio Vouga (1km a montante da nova)

Silvã de Cima (Sátão)
Marco Miliário
Local de conservação: na parede da Qtª do Pomar
Via romana: Viseu a Aguiar da Beira
Acesso: Silvã de Cima


Moimenta da Beira

Aldeia de Nacomba
Calçada Romana 

Estado de conservação: bom estado na sua extensão
Via romana: Viseu a Moimenta da Beira/Lamego, ligação de Fráguas a Moimenta por Ariz
Acesso: Aldeia de Nacomba (EM514), pela rua da Via Romana

Vide
Inscrição Romana

Local: bloco de granito embutido na fachada da Capela Espírito Santo
Acesso: Rua (EN226), seguindo rua Barreira de Vide, rua Carreira, rua Fonte e Largo Carvalho

Estela Funerária e Miliário

Local: encrustada na fachada da Capela de S. Domingos e miliário transformado em Cruzeiro (50 metros) da capela
Acesso: Prados de Baixo (EN226)

Ourozinho /Penedono
Calçada Romana da Qtª do Vale de Outeiro

Estado de conservação: bom estado em partes do percurso
Via romana: Chaves ao Douro/Pinhão por Favaios; Freixo de Numão, ligação a sudoeste a Viseu
Acesso: Ourozinho (EM510)

Freixinho
Ponte do Freixinho

Estado de conservação: submersa pela barragem
Via romana: Freixo de Numão, ligação a sudoeste a Viseu
Acesso: Penso (EN 226), passar a ponte cortar à direita junto a igreja até à barragem


Mangualde


Estalagem Romana da Raposeira 


Os romanos designavam, “mansio/mutatio”, aos locais que serviam como estações na mudança de cavalos e apoio, sobretudo, a correio e transportes da administração imperial. Neste caso, estamos perante uma estalagem romana, funcionando de apoio à via imperial Braga a Mérida


Terá sido construída na dinastia de Augusto, início séc. I d.C., com a ocupação do local prolongando-se até aos finais do séc. IV d.C., início do séc. V d.C., estava dotada de instalações indispensáveis ao desempenho da sua função com áreas para descanso e abastecimento, zona termal e estábulos, seria um lugar de pernoita, de paragem breve onde os cavalos recuperavam forças e os viajantes poderiam relaxar o corpo e as mazelas, no fim de uma árdua jornada de viagem, aproveitando pondo conversas em dia, histórias contadas e negócios fechados, por todos aqueles que aqui passavam ao serviço de Roma. 

Complexo Termal

Alojamentos e Entrada da Villa
No primeiro corpo edificado talvez estivesse a área de serviços, com uma ou duas cozinhas e diversos aposentos reservados ao proprietário e família incluindo os seus criados; do outro lado, um pátio com outro bloco de instalações aonde os hóspedes pernoitavam. Entre estas duas áreas telhadas, situavam-se as termas com espaços destinados a banhos frios e quentes com água sempre corrente. Nas traseiras do edifício termal daria para um outro pátio mais amplo, os estábulos, seria porteado e aberto, acolhendo os animais de carga.

Área reservada ao proprietário da Villa
Local: Vedado com protecção e aberto ao público
Acesso: Mangualde, pela avenida da Srª do Castelo, à direita para a Qta da Raposeira em caminho de terra batida (150 metros)

Alcafache (Mangualde)
Ponte Romana- Medieval de Alcafache

Estado de conservação: são ainda visíveis “pedras almofadadas” na base do pilar do lado das termas – aberta à circulação
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Termas de Alcafache (EM594)

A calçada romana, totalmente destruída denota-se pequenos vestígios, parte junto à Capela de Nossa Senhora de Fátima sobe bairro da calçada romana, traseiras do Hotel de Alcafache (termas de Alcafache), à Junta de Freguesia de Alcafache (Casal Mendo), continuava pela rua de Santa Cruz, à esquerda até à rua dos Medronheiros, à direita e depois à esquerda pela rua do Caminho Romano.




Trancozelos (Mangualde)
Ponte Romana-Medieval

Estado de conservação: pedonal – em requalificação
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Mangualde/Penalva do Castelo (EN329-1)

Ara Funerária

Local: Cruzeiro à entrada de Trancozelos

Ponte do Cavalo (Mangualde)
Ponte Romana-Medieval

Estado de conservação: aberta à circulação 
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Mangualde/Penalva do Castelo (EN329-1)

Quintela da Azurara (Mangualde)
Inscrição Romana
Local: Igreja Paroquial
Acesso: Quintela da Azurara

Ponte Romana
Estado de conservação: falta reconhecer local
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Mangualde pela Estrada da Quintela da Azurara e na povoação rua da Ponte

Calçada Romana de Cômoro/Formiga
Estado de conservação: falta reconhecer local
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Quintela da Azurara

Fagilde
Calçada Romana (pequeno troço)

Estado de conservação: muito danificada no seu percurso
Via romana: Braga a Mérida, de Viseu - Famalicão da Serra – Colmeal da Torre
Acesso: Fagilde (A25) nó…., após placa indicativa para Roda pela rua do Cruzeiro em caminho de terra batida na primeira cortada à esquerda

Roda
Calçada Romana e Miliário Anepígrafo



Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Braga a Mérida, de Viseu - Famalicão da Serra – Colmeal da Torre
Acesso: Roda/Mangualde pelo Largo do Olheirão após o pontão à esquerda, direcção ao pinhal entroncando mais acima na mesma estrada e miliário na esquina de muro

Pinheiro de Baixo
Calçada Romana de Barreiros

Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Pinheiro de Baixo (EN234), no extremo da povoação junto de habitações e área florestal

Freixiosa (Mangualde)
Ara Votiva a Crouga Nilaiqui por Clementinus

Local: pedestal a cruzeiro na Igreja de Stª Luzia
Acesso: Freixiosa (EN16), Mangualde/Guarda, seguir sentido a Igreja Paroquial

Mourilhe (Mangualde)
Calçada Romana (pequeno troço)

Estado de conservação: bom estado na sua extensão pelo interior da povoação
Via romana: Braga a Mérida, (Viseu - Famalicão da Serra – Colmeal da Torre, variante com travessia do Mondego na Ponte Palhez)
Acesso: Mourilhe (EN232), sinalizada na estrada, na rua da Capela - junto da Capela de Nsa da Conceição

Santiago de Cassurães (Mangualde)
Miliário Anepígrafo

Local: adro da Igreja de S. Tiago de Cassurães
Acesso: Santiago de Cassurães (EN646)

Póvoa de Cervães (Mangualde)
Calçada Romana e Miliário Anepígrafo como "Alminhas"

Local: Santuário da Nossa Srª de Cervães
Estado de conservação: vestígios do traçado da via pela rua da Calçada ou Caminho Velho, subindo ao Santuário da Nossa Srª de Cervães em caminho de terra batida e as “alminhas” estão do lado direito
Via romana: Braga a Mérida (Viseu - Famalicão da SerraColmeal da Torre, variante com travessia do Mondego em Poço Moirão) – via principal

Póvoa de Espinho (Mangualde)
Miliários Anepígrafos

Local: Póvoa de Espinho - Rua do Forno, junto a porta de casa - frente à Capela do mártir S. Sebastião

Local: Póvoa de Espinho, encastrado num muro no entroncamento da Rua do Calvário para Outeiro de Espinho

Local: Póvoa de Espinho, em frente da Capela de Sta Luzia para Outeiro de Espinho

Gandufe
Ponte Romana do rio Torto

Estado de conservação: pedonal
Via romana: Viseu a Bobadela, nó no Lugar do Peso ou no Cruzeiro da Lama
Acesso: Gandufe (EN234), seguir direcção Fonte do Tinto

S. João da Fresta
Ara
Local: interior da Capela Stº Amaro - reaproveitada como “pia de água benta” 
Via romana: Mangualde a Celorico da Beira
Acesso: S. João da Fresta através da (EN16)

Chãs de Tavares
Calçada Romana (pequeno troço) no Castro do Bom Sucesso

Local: acesso ao Santuário do Bom Sucesso
Estado de conservação: bom estado na sua extensão
Via romana: Mangualde a Celorico da Beira
Acesso: Chãs de Tavares (A25), saída nó….

Calçada Romana de Alfaioques


Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Mangualde a Celorico da Beira
Acesso: direcção à Várzea de Tavares para Fornos de Algodres (EN16), desvio à esquerda à Qtª da Lajeosa e Stº António da Ribeira (parque merendas), por caminho terra batida frente às placas indicativas Ramirão e Qtª das Relvas


Tondela


Museu Municipal de Tondela Terras de Besteiros

Situado no antigo Solar Casa de Sant´Ana, no centro histórico de Tondela, o Museu Municipal de Tondela Terras de Besteiros é de visita obrigatória (acesso livre) para se conhecer sobre a realidade do passado, presente e futuro deste região de Terras de Besteiros e da sua população, podendo-se adquirir toda a informação documental necessária e marcação de visitas guiadas a outros sítios arqueológicos.


Este espaço conta uma exposição permanente distribuída por dois pisos. No piso O dá a conhecer a evolução do Homem neste concelho, como é demonstrativo um conjunto de artefactos e arte pré-histórica provenientes de sítios arqueológicos com a Anta da Arquinha da Moura e de Molelinhos. Neste nível podemos ainda a ficar a saber mais sobre a Romanização e a Idade Média. No piso 1 iremos percorrer a História do século XIX e XX, abordando a questão do desenvolvimento Pré-industrial, a chegada do Caminho de Ferro, desenvolvimento do Caramulo e o aparecimento dos Sanatórios. São também dadas a conhecer diversas atividades ancestrais relativas a este concelho.

Inscrição Romana


Local: Museu Municipal de Tondela – bloco a CAVDICI – a Cáudico (séc. I?

Mó granítica



Ferreirós do Dão
Ponte Romana de Ferreirós do Dão

Estado de conservação: aberta à circulação 
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Ferreirós do Dão (EN230)

Nandufe
Ponte Romana de Nandufe

Estado de conservação: aberta à circulação, muita vegetação envolvente
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Nandufe nó (IP3)

Santiago de Besteiros
Ponte Romana?-Medieval da Portela

Estado de conservação: rural – por baixo existência de uma numeração romana
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Santiago de Besteiros (EN228), seguir placa indicativa a Litrela e a 50 mt cortar à direita na Rua da Calçada Romana, passando a ponte romana da Portela rumo à matriz de Santiago de Besteiros

Estado de conservação: vestígios de calçada 

Ponte Romana das Mestras
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Santiago de Besteiros (EN228)

Paranho de Besteiros
Calçada Romana

Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Paranho de Besteiros (EN228), a 100 metros da escola primária ao fundo da povoação pela rua do Rebolo

Fial
Calçada Romana (pequeno troço)

Estado de conservação: bom estado na sua extensão pelo interior da povoação
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Fial (CM1380) - rua da Ponte (rua do Pereiro)

Guardão de Baixo
Calçada Romana (pequeno troço)

Estado de conservação: bom estado na sua extensão pelo interior da povoação
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Guardão de Baixo (EN230) - junto à Igreja Matriz sobe pela rua da Igreja

Mosteiro das Fráguas
Calçada Romana (pequeno troço)

Estado de conservação: bom estado na sua extensão
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Mosteiro das Fráguas (EM628) – na rua da Igreja ao Mosteiro das Fráguas

Oliveira do Conde (Carregal do Sal)
Inscrições Romanas (duas)

Local: interior do Café Flor de Mondego
Acesso: Oliveira do Conde (EN230)

Calçada Romana de Alagoas
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Viseu a Bobadela, variante com travessia do Mondego em Póvoa de Midões
Acesso: Fiais da Telha

Destriz (Oliveira de Frades)
Calçada Romana
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu, ligação a Benfeitas por Destriz
Acesso: Destriz (CM1285-3), na travessia do rio Alfusqueiro, subindo a Benfeitas (2 km)

Marcos Miliários (?)
Reigoso (um) (Oliveira de Frades)
Benfeitas (dois) (Oliveira de Frades)

S. Pedro do Sul


Termas Romanas de S. Pedro do Sul 






Marco Miliário 

Local: pela rua da Ponte Velha até ao cruzamento do cruzeiro de Quintela
Acesso: Termas de S. Pedro do Sul

Ponte Romana?

Estado de conservação: aberta à circulação 
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu       
Acesso: Termas de S. Pedro do Sul do cruzamento no cruzeiro de Quintela descendo pela rua da Ponte Velha 

Vouzela
Ponte Romana-Medieval S. Frei Gil

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu
Acesso: Vouzela (EN16)

Ponte Pedrinha (Vouzela)
Ponte Romana?-Medieval da Pedrinha

Estado de conservação: desativada
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu
Acesso: Ponte Pedrinha/Fataúnços (EM602) – junto à atual ponte

Figueiredo das Donas (Vouzela)
Calçada Romana do Outeiro

Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu
Acesso: Ponte Pedrinha (EM602), inicia-se a 100 metros da ponte seguindo trilho pedestre, sobe em terreno florestal a Figueiredo das Donas, entrando na rua Rainha Dona Amélia à Igreja da Nossa Srª das Neves

Fataúnços (Vouzela)
Calçada Romana
Estado de conservação: falta reconhecer local - junto da Fonte Velha
Via romana: Cabeço do Marnel/Vouga a Viseu
Acesso: Fataúnços (EN228)

S. João da Serra
Calçada Romana (pequeno troço)


Estado de conservação: bom estado na sua extensão no interior da povoação
Via romana:
Acesso: S. João da Serra (EN227), sinalizada na estrada, junto ao parque desportivo na descida em frente

Conlela/S. João da Serra
Calçada Romana (dois pequenos troços)

Estado de conservação: em ambos os casos são pouco visíveis os troços porque estão servindo de base para colocação de troncos de madeira  
Via romana:
Acesso: Conlela (EN227), sinalizada na estrada junto a cruzeiro, seguir à praia do Vau, o primeiro troço encontra-se do lado esquerdo frente a habitação e o segundo troço mais a baixo junto a armazém também do lado esquerdo

Manhouce
Ponte Romana?-Medieval de Manhouce


Estado de conservação: pedonal
Via romana: Porto a Viseu
Classificação: Imóvel Interesse Público
Acesso: Manhouce

Ponte Romana?-Medieval de Poço da Barreira e Calçada (pequeno troço)


Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Manhouce, rotunda do Café/Restaurante da Barreira

Local: à saída da ponte romana Poço da Barreira
Estado de conservação: bom estado na sua extensão 

Gestoso/Manhouce
Calçada Romana



Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno montanhoso
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Manhouce/Gestoso (cerca de 7 km), início do percurso pedestre à entrada da povoação pela Serra da Freita

Bustorenga/Manhouce
Calçada Romana

Estado de conservação: bom estado na sua extensão, por terreno florestal  
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Bustorenga (CM1236), situa-se no lado direito da estrada, perto a conjunto habitacional em local denominado por “Fonte dos Ovos”

Santa Cruz da Trapa
Calçada Romana


Estado de conservação: bom estado em toda a sua extensão
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Santa Cruz da Trapa (EN227), perto ao Solar dos Malafaias, séc. XVIII, a via têm início na rua Estrada Romana


Castro Daire

Calçada Romana
Estado de conservação: desce ao rio Paiva na Ponte da Pedrinha
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, por Caldas Aregos, Cárquere e Castro Daire a Viseu
Acesso: Castro Daire

Estado de conservação:
Via romana: Viseu - Castro Daire - Lamego
Acesso: Mezio

Calçada Romana
Estado de conservação: calçada de Cotelo para a Gralheira
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, por Caldas Aregos, Cárquere e Castro Daire a Viseu
Acesso: Cotelo

Cinfães
Calçada Romana
Estado de conservação: pelo caminho da escola primária, seguindo margem esquerda do rio Bestança; na aldeia da Gralheira, Ponte de Panchorra sobre o rio Cabrum
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, ligação a Viseu de Porto Antigo
Acesso: Porto Antigo/Cinfães

Resende

Castro Luso-Romano da Mogueira com oito inscrições (S. Martinho de Mouros)

Ponte de Frende sobre o rio Teixeira
Estado de conservação:
Construção:
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, por Porto de Rei, Castro da Moreira e Lamego
Acesso: entre Ervidal e Cruzeiro

Estado de conservação: castro romano e calçada
Construção:
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, por Porto de Rei, Castro da Moreira e Lamego
Acesso: Penajoia