quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

DISTRITO DE VISEU

A Lusitânia que convido a visitar é uma viagem no tempo a uma região totalmente romana que, com o fim das guerras civis internas, a partir do ano 27 a.C., no reinado do imperador Augusto e “criador” da Pax Romana, o Império Romano irá ter um longo período de paz e de estabilidade durante quase dois séculos. A pacificação total da Hispania, designação dada pelos romanos à Península Ibérica, muito contribuiu para que a vida quotidiana das populações se desenrolasse com paz, tranquilidade e prosperidade, também será neste período de maior estabilidade que detalhes da vida quotidiana daqueles que nos antecederam ficaram preservados para a história, mesmo apesar de não existirem grandes espaços monumentais no nosso território garanto-vos que vestígios não nos faltam encontram-se é dispersos um pouco por todo o lado por vezes bem debaixo dos nossos pés. Motivo suficiente para nos sentirmos pequenos nesta história? Óptimo, a ideia era essa, embarquemos nesta viagem pelos trilhos dos romanos pelo distrito de Viseu.

Viseu

A cidade encontra-se associada à figura de Viriato é suposto que este herói lusitano tenha nascido nesta região, contudo, tudo aponta para que o seu povoado estivesse localizado no Santuário Luso-Romano do Cabeço das Fráguas, em Pousafoles do Bispo, no distrito da Guarda. Sobre o carácter desta personagem tão relevante da nossa história é protagonizado pelo historiador Tito Lívio (59 a.C. – 17 d.C.): Ágil, belicoso, inquieto. A Hispânia é distinta da Itálica, mais disposta para a guerra por causa do agreste terreno e do génio dos homens”.

Quando os cartagineses abandonaram Cádiz com todos os seus barcos e tropas para acudir Aníbal em Itália, Roma tornava-se a detentora de todo o Sul da Hispânia, desde os Pirenéus ao Algarve, no seguimento da costa, para o interior, de Huesca em direcção ao Sul até ao rio Ebro e a leste ao mar. A partir de então iniciou-se a administração romana da Península com carácter de ocupação militar da manutenção da ordem e de exploração dos recursos naturais das regiões ocupadas, nesta altura é eleito Viriato, por aclamação, para liderar um grupo de resistentes para fazer frente ao invasor infligindo duras derrotas tornando-o num mito da resistência península, tendo sido assassinado quando se encontrava a dormir na sua tenda, em 139 a.C., por três emissários da sua confiança quando se deixaram subornar com honras e dinheiro por Quinto Servílio Cipião, irmão de Cipião "O Africano". A resistência lusitana colapsou ao poder de Roma com o assassinato de Sertório num banquete proporcionado por Perpena e outros dos seus oficiais. 

Ao iniciar-se a fase imperial com a pacificação de Augusto também se fez sentir na Península com o fim das Guerras Cantábricas, a partir de 19 a.C., as suas legiões ocupam a região norte peninsular asseguram-se as fronteiras naturais e pacifica-se a região nesta altura a Hispânia é dividida em três províncias: Tarraconense, a Norte e a Nordeste até aos Pirenéus, a Bética, a Sul e a Lusitânia, entre Douro e Guadiana, com a capital Emerita Augusta. É, neste período, que se assiste a uma época de paz e prosperidade económica marcado pela construção de cidades e vias de comunicação, adaptando-se ou desenvolvendo-se as existentes, adquirindo progressivamente a sua autonomia vindo a constituir-se em municipium, oportunidade que a civitas VISSAIUM (actual Viseu) não perdeu.

Viseu tem sido, ao longo dos anos, alvo de estudos e teorias quanto à sua importância, e sobretudo, à implantação e estruturação no espaço urbano. As intervenções arqueológicas que vão ocorrendo são resultantes de projectos de reabilitação e de desenvolvimento de infraestruturas de prédios urbanos no centro histórico de Viseu que vão fornecendo dados preciosos da malha urbana da antiga cidade, foi um projecto de reconstrução de um prédio que colocou a descoberto os alicerces de um edifício, datado do final do séc. I e início do séc. II, supõe-se tratar de uma “insulae” (zona residencial e comercial), no sopé do morro da Sé e junto às principais vias da cidade da época, no cruzamento do decumanus maximus que corresponde à actual rua do Gonçalinho com o cardus maximus que corresponde à atual rua Direita no centro político-administrativo da cidade no Largo da Sé, fórum e praça pública, nas obras da instalação do funicular junto à rua da Misericórdia, puseram a descoberto habitações da Idade do Ferro (séc. IV/III a.C.) e silos escavados na rocha, na época romana serviu de necrópole.

A crise instalada nas fronteiras do império exigiu a construção de uma muralha defensiva (séc. III) subsistindo alguns vestígios dessa muralha ao fundo da rua Formosa e algumas das entradas na cidade pela Porta dos Cavaleiros, rua dos Loureiros, rua Silva Gaio e Largo da Sé, fórum e praça pública, pela Ponte da Azenha, rua Nunes de Carvalho, Capela S. Sebastião, Porta do Soar ou Arco dos Melos até à Sé, infelizmente outras não chegaram aos nossos dias.



Muralha (séc.III)

Porta do Soar ou Arco dos Melos
Basílica Paleocristã (fundações) no topo norte da Praça D. Duarte

Cava do Viriato e Fosso (provavelmente zona do acampamento militar?) 

Calçada Romana Ranhados/Coimbrões e Pontão Romano de S. Domingos




Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Viseu a Bobadela 
Acesso: Viseu/Ranhados
Classificação: Imóvel de Interesse Público

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 37´50.9” N 7º 53´12.9” W
Local
Viseu/Ranhados
Acesso
Rua Direita e Rua Stª Eufémia rumo ao campo de futebol, desce ao pontão romano de S. Domingos sobre a ribeira da Póvoa subindo à Zona Industrial de Coimbrões
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
5,0 Kms
Dificuldade
Fácil

Ponte Romana?- Medieval da Azenha

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu 
Acesso: Viseu, rua da Quinta da Azenha
Coordenadas: 40º 39´44.7” N 7º 55´32.2” W

Rota I
Viseu – Moselos – Bodiosa-a-Velha – Lordosa/Bigas

Moselos (Viseu)
Calçada Romana da Srª do Castro


Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Porto – S. Pedro do Sul – Viseu, variante de Vouzela a Viseu por S. Pedro do Sul
Acesso: Moselos (EN16

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 40´55.0” N 7º 57´33.4” W
Local
Viseu/Moselos
Acesso
Sinalizada em Moselos na EN16 mas daí em diante não surge mais nenhuma indicação, seguimos a Estrada Florestal de Moselos e a poucos metros antes do viaduto da IP5, por caminho à direita em terra batida contornando o monte da Capela da Srª do Castro pela esquerda passando por baixo da A24
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
2,0 Kms
Dificuldade
Fácil 

Bodiosa-a-Velha (Viseu)
Calçada Romana (pequeno troço)


Característica: calçada lajeada no interior da povoação, numa extensão de 300 metros
Via romana: Porto – S. Pedro do Sul – Viseu, variante de Vouzela a Viseu por S. Pedro do Sul
Acesso: Bodiosa-a-Velha (EN16) sinalizada na estrada nacional
Coordenadas: 40º 43´37.6” N 7º 59´38.3” W Coordenadas

Lordosa/Bigas (Viseu)
Calçada Romana da Almargem

Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Lamego – Castro Daire – Viseu 
Classificação: Imóvel Interesse Público
Acesso: Lordosa/Bigas (EN2

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 44´56.0” N 7º 54´06.4” W
Local
Bigas/Lordosa
Acesso
Sinalizada na EN2, no interior da povoação seguir pela Rua Ferreiras até ao entroncamento com a Rua Vale da Pata e indicação Caminho para Santiago até Almargem
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
2,0 kms
Dificuldade
Fácil

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
25,4 kms

Rota II
Viseu – Povolide - Orgens – Couto de Baixo/Torredeita 

Povolide (Viseu)
Calçada Romana da Qtª Stª Luzia
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Moimenta da Beira a Mangualde
Acesso: Povolide, (na Qta de Sta Luzia com acesso defronte do cemitério à esquerda)

Orgens (Viseu)
Calçada Romana (pequeno troço)

Característica: calçada lajeada numa extensão de 80 metros
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu 
Acesso: Orgens/Viseu (EN337), no acesso ao Convento de S. Francisco
Coordenadas: 40º 40´11.0” N 7º 56´21.3” W 

Couto de Baixo/Torredeita (Viseu)
Calçada Romana das Enforcadas

Característica: calçada lajeada
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, pela Serra do Caramulo e Guardão 
Acesso: Viseu/Figueiró (EN337) na rotunda Mosteirinho/Couto de Baixo seguir a Torredeita e na primeira à direita pela rua dos Enforcados
Coordenadas: 40º 39´02.6” N 8º 00´12.8” W

Ponte Romana da Seara
Estado actual: falta reconhecer local
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, pela Serra do Caramulo e Guardão 
Acesso: Torredeita (EN337), seguindo rua da Seara, rua Joaquim dos Santos e rua da Ribeira (?)
Coordenadas: ---

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
12,0 kms 

Rota 
Viseu – 

Cepões (Viseu)
Ponte Romana?- Medieval de Vouguinha
Estado actual: falta reconhecer local
Via romana: Viseu a Moimenta da Beira
Acesso: Viseu/Sátão (EN229) em Cavernães e (EN323) a Cepões a Vouguinha sobre rio Vouga (1km a montante da nova)
Coordenadas: ---

Côta ()
Calçada Romana
Característica: falta reconhecer o local
Via romana: Viseu a Moimenta da Beira
Acesso: Côta, da ponte sobe em calçada até Vouguinha
Coordenadas: ---

Rio Moinhos (Sátão)
Local: 2 colunas encastradas (miliários anepígrafos?) num muro na Eira do Rei

Casal de Cima (Sátão)
Calçada Romana
Característica: falta reconhecer o local
Via romana: Moimenta da Beira a Mangualde 
Acesso: Casal de Cima – no lugar da Igreja
Coordenadas: ---

Silvã de Cima (Sátão)
Miliário
Local: Silvã de Cima/Casal, muito adulterado em muro na Quinta do Pomar

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
00,0 kms 

Rota III
Viseu – Aldeia de Nacomba – Vide/Rua – Prados de Baixo – Freixinho - Ourozinho

Aldeia de Nacomba (Moimenta da Beira)
Calçada Romana 

Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Moimenta da Beira a Linhares por Fornos de Algodres
Acesso: Aldeia de Nacomba (EM514)

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 57´23.5” N 7º 36´52.6” W 
Local
Aldeia de Nacomba (Moimenta da Beira)
Acesso
Seguindo a Rua da Via Romana
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
800 metros
Dificuldade
Fácil

Vide (Moimenta da Beira)
Inscrição Romana

Acesso: Rua (EN226) pela Rua Barreira de Vide, Rua Carreira, Rua Fonte e Largo Carvalho - Capela do Espírito Santo, à esquerda, embutida na fachada da capela

Prados de Cima (Moimenta da Beira)
Estela Funerária de Victor

Local: encrustada na fachada da Capela de S. Domingos

Miliário
Local: a 50 metros da Capela serve de Cruzeiro
Acesso: Prados de Cima (EN226)

em breve (imagens)

Ourozinho (Penedono)
Calçada Romana da Qtª do Vale de Outeiro

Característica: calçada lajeada por terreno rural
Via romana: Chaves – Douro (Pinhão) - Marialva
Acesso: Ourozinho (EM510)


Ficha técnica
Coordenadas: 40º 57´23.7” N 7º 20´55.8” W
Local
Ourozinho (Penedono)
Acesso
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
600 metros
Dificuldade
Fácil

Dólmen do Carvalhal/Capela da Nª. Srª do Monte


Ficha técnica
Local
Penela da Beira (Penedono)
Acesso
Capela da Nª. Srª do Monte
Distância percorrida
Duração estimada da visita
20 minutos 
Classificação
Coordenadas: ---

Freixinho (Sernancelhe)
Ponte do Pontigo/Freixinho

Estado de conservação: submersa pela barragem
Via romana: Chaves a Lamego/Pêso da Régua - Marialva
Acesso: Penso (EN226), passar a ponte cortar à direita junto a igreja até à barragem

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
92,8 kms

Rota IV
Viseu – Fagilde – Roda - Mangualde – Mourilhe – Santiago de Cassurães

Mangualde

Estalagem Romana da Raposeira 

Os romanos designavam “mansio/mutatio” aos locais que serviam de apoio e na mudança de cavalos, sobretudo, a correio e transportes da administração imperial, nos dias de hoje são as nossas estalagens ou hospedarias servindo para descanso e pernoita.

A estalagem terá sido construída no início séc. I d.C. prolongando-se até aos finais do séc. IV d.C. ou início do séc. V d.C., estava dotada de instalações indispensáveis ao desempenho da sua função com áreas destinadas ao repouso, uma zona termal, cercado e estábulos, era um lugar de pernoita de paragem breve onde os cavalos recuperavam forças onde os viajantes relaxavam o corpo e mazelas no fim de uma árdua jornada de viagem, aproveitando para colocarem conversas em dia, histórias contadas ou negócios fechados, por aqueles que aqui passavam ao serviço de Roma.

Na primeira ala do edifício, talvez fosse a área de serviços, uma ou duas cozinhas e diversos aposentos reservados ao proprietário e família incluindo os seus criados; do outro lado, um pátio e outra ala de instalações onde os hóspedes pernoitavam, as traseiras, davam para um outro pátio mais amplo, os estábulos, porteado e aberto, acolhendo os animais de carga e cavalos. Entre estas duas alas situava-se o complexo termal dispondo de salas destinadas a banhos frios e quentes, bem retemperantes após uma longa e árdua jornada de viagem.

 




Local: aberto ao público
Acesso: Mangualde, pela avenida da Srª do Castelo, à direita para a Qta da Raposeira em caminho de terra batida (150 metros)
Coordenadas: 40º 36´38.8” N 7º 45´09.1” W

Fagilde
Calçada Romana (pequeno troço)

Característica: calçada lajeada mas bastante danificada
Via romana: itinerário Braga a Mérida, no troço de Viseu - Famalicão da Serra – Catraia da Torre (Centum Cellae
Acesso: Fagilde (A25) nó…., após placa indicativa para Roda pela rua do Cruzeiro em caminho de terra batida na primeira cortada à esquerda
Coordenadas: 40º 37´08.6” N 7º 47´39.6” W

Roda
Calçada Romana


Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: itinerário Braga a Mérida, no troço de Viseu - Famalicão da Serra – Catraia da Torre (Centum Cellae
Acesso: Roda/Mangualde

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 36´59.0” N 7º 46´56.3” W
Local
Roda/Mangualde
Acesso
Do Largo do Olheirão após pontão na estrada, à esquerda, sobe ao pinhal
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
500 metros
Dificuldade
Fácil

Mourilhe (Mangualde)
Calçada Romana (pequeno troço)


Característica: calçada lajeada, em bom estado
Via romana: itinerário Braga a Mérida, no troço de Viseu - Famalicão da Serra – Catraia da Torre (Centum Cellae), na travessia do rio Mondego na Ponte Palhez
Acesso: Mourilhe (EN232), sinalizada na Rua da Capela - junto à Capela de Nossa Senhora da Conceição
Coordenadas: 40º34´35.1” N 7º 44´09.1” W

Dólmen da Cunha Baixa


Ficha técnica
Coordenadas: 40º 34´03.4” N 7º 46´12.2” W
Local
Cunha Baixa (Mangualde)
Acesso
Entre as aldeias da Cunha Baixa e Espinho
Distância percorrida
Duração estimada da visita
Classificação
MONUMENTO DE INTERESSE NACIONAL

Casal de Cima/Santiago de Cassurães (Mangualde)

Calçada Romana e Miliário anepígrafo reutilizado como “Alminhas”

Local: Capela da Nª. Srª de Cervães
Via romana: itinerário Braga a Mérida, no troço de Viseu - Famalicão da Serra – Catraia da Torre (Centum Cellae),na travessia do Mondego em Poço Moirão

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 35´03.9” N 7º 41´57.3” W
Local
Santiago de Cassurães (Mangualde)
Acesso
A antiga via romana deveria cruzar a ribeira de Cassurães no “Caminho Velho”, actual Rua da Calçada subia ao Santuário da Nª. Srª de Cervães, passa ao fundo da escadaria em caminho de terra batida, o miliário está do lado direito
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
3,0 Kms
Dificuldade
Fácil

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
30,4 kms

Rota V
Viseu – Alcafache - Pinheiro de Baixo – Póvoa de Espinho – Gandufe

Pinheiro de Baixo (Mangualde)
Calçada Romana de Barreiros

Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Pinheiro de Baixo (EN234)

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 35´27.5” N 7º 47´38.8” W 
Local
Pinheiro de Baixo (Mangualde)
Acesso
Extremo da povoação, junto a habitações, em direcção ao eucaliptal
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
400 metros
Dificuldade
Fácil

Póvoa de Espinho (Mangualde)
Miliários anepígrafos 

Local: Rua do Forno, à Capela do mártir S. Sebastião, frente a porta de habitação

Local: reutilizado como cruzeiro na Capela de Sta Luzia, na estrada para Outeiro de Espinho

Local: seguir estrada em frente da Associação de Espinho, está em esquina de muro oposto, para Outeiro de Espinho
Acesso: Póvoa de Espinho (EN234) - junto a apeadeiro da CP Moimenta-Alcafache

Gandufe (Mangualde)
Ponte Romana do rio Torto

Estado de conservação: pedonal
Via romana: Mangualde a Bobadela
Acesso: Gandufe (EN234), seguir direcção Fonte do Tinto
Coordenadas: 40º 33´42.0” N 7º 40´58.6” W

Alcafache (Mangualde)
Ponte Romana - Medieval de Alcafache

Estado de conservação: são ainda visíveis “pedras almofadadas” na base do pilar do lado das termas – aberta à circulação
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Termas de Alcafache (EM594)
Coordenadas: 40º 36´23.2” N 7º 52´08.8” W

A calçada romana, totalmente destruída denotando-se pequenos vestígios, parte junto à Capela de Nossa Senhora de Fátima sobe bairro da calçada romana, traseiras do Hotel de Alcafache (termas de Alcafache), à Junta de Freguesia de Alcafache (Casal Mendo), continuava pela rua de Santa Cruz, à esquerda até à rua dos Medronheiros, à direita e depois à esquerda pela rua do Caminho Romano.



Santar (Nelas)
Calçada Romana
Estado de conservação: calçada romana nas Pedreiras (falta reconhecer o local)
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Santar, pela Rua Estremadouro segue em caminho rural em calçada cruza o ribº de Cagavaio
Coordenadas: ---

Vilar Seco (Nelas)
Calçada Romana
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Viseu a Bobadela
Acesso: Vilar Seco
Coordenadas: ---

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
31,6 kms

Rota VI
Viseu – Oliveira do Conde – Fiais da Telha/Azenha – Destriz - Cajadães

Oliveira do Conde (Carregal do Sal)
Inscrições Romanas (duas)

Local: interior do Café Flor de Mondego
Acesso: Oliveira do Conde (EN230)

Fiais da Telha (Carregal do Sal)
Calçada Romana de Alagoas
Característica: falta reconhecer o local
Via romana: Coimbra a Mangualde, variante com travessia do Mondego em Póvoa de Midões
Acesso: ---

Ficha técnica
Coordenadas: ---
Local
Acesso
Em Oliveira do Conde e em direcção à Azenha, junto à nova ponte que atravessa a ribeira da Azenha, segue-se à esquerda o caminho paralelo a esta ribeira aproximadamente 200 metros para Norte
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
Dificuldade

Dólmen da Orca, Lapa da Orca


Ficha técnica
Coordenadas: 40º 26´37.6” N 7º 56´17.8 W
Local
Fiais da Telha (Carregal do Sal)
Acesso
Distância percorrida
Duração estimada da visita
Classificação
MONUMENTO DE INTERESSE NACIONAL

Destriz (Oliveira de Frades)
Calçada Romana
Característica: falta reconhecer o local
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, ligação a Benfeitas por Destriz
Acesso: Destriz (CM1285-3)

Ficha técnica
Coordenadas: ---
Local
Destriz
Acesso
Na travessia do rio Alfusqueiro, subindo a Benfeitas em terreno difícil
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
2,0 Kms
Dificuldade
Moderado

Cajadães (Oliveira de Frades)
Calçada Romana de Postaneiros
Estado de conservação: falta reconhecer o local
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, ligação a Benfeitas por Destriz
Acesso: Cajadães

Ficha técnica
Coordenadas: ---
Local
Acesso
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
Dificuldade

em execução

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
00,0 kms

Rota VII
Viseu – Trancozelos – Ponte do Cavalo - Real

Abogões (Penalva do Castelo)
Ponte dita “romana”


Estado de conservação: rural e calçada em bom estado de conservação, composta por laje de grandes dimensões
Via romana: Moimenta da Beira a Mangualde
Acesso: Quintela de Azurara/Real após a passagem da ponte sobre o rio de Ludares, cortar na 1ª à esquerda para Lamegal e Abogões. Em Abogões na descida junto à capela pela direita por caminho rural até à ponte sobre o rio Ludares e segue pela calçada romana de Cômoro/Formiga
Coordenadas: 40º38´09.9” N 7º 42´21.5” W 

Calçada Romana de Cômoro/Formiga

Característica: calçada sobre terra batida assente com pedra miúda após passagem da dita ponte “romana” entre Abogões e Canelas
Via romana: Moimenta da Beira a Mangualde
Acesso: Germil, segue (EM…..) a Abogões no Largo da Capela desce ao rio de Ludares por caminho de terra batida
Coordenadas: 40º 38´08.0” N 7º 42´22.9” W

Lamegal (Penalva do Castelo)
Miliário 



Local: Capela do Lamegal na rua Celestino Fonseca, num muro do lado direito e perto de habitação em ruínas

Trancozelos (Penalva do Castelo)
Ponte Romana-Medieval

Estado de conservação: pedonal – em requalificação
Via romana: Moimenta da Beira a Mangualde
Acesso: Mangualde/Penalva do Castelo (EN329-1)
Coordenadas: 40º 39´29.4” N 7º 42´15.6” W

Ara Funerária

Local: Cruzeiro à entrada de Trancozelos

Ponte do Cavalo (Penalva do Castelo)
Ponte Romana-Medieval

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Moimenta da Beira a Mangualde
Acesso: Mangualde/Penalva do Castelo (EN329-1)
Coordenadas: 40º 38´29.3” N 7º 44´15.5” W

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
31,3 kms

Rota VIII
Viseu – Freixiosa – Chãs de Tavares – S. João da Fresta

Freixiosa (Mangualde)
Ara votiva a Crouga Nilaiqui por Clementinus

Acesso: Freixiosa (EN16), Mangualde/Guarda, seguir sentido a Igreja Paroquial, serve de pedestal a cruzeiro na Igreja de Stª Luzia

S. João da Fresta (Mangualde)
Ara
Acesso: S. João da Fresta pela (EN16), interior da Capela Stº Amaro - reaproveitada como “pia de água benta” 


em breve (imagens)

Chãs de Tavares (Mangualde)
Calçada Romana (pequeno troço) no Castro do Bom Sucesso e templo (séc. I/II d.c.)

Local: Santuário do Bom Sucesso
Característica: calçada lajeada numa extensão de 80 metros ao Santuário, em bom estado de preservação
Via romana: outras vias secundárias de Fornos de Algodres
Acesso: Chãs de Tavares (A25), saída nó…., seguir Santuário do Bom Sucesso
Coordenadas: 40º37´57.9” N 7º 36´13.7” W

Quintas da Lajeosa
Calçada Romana de Alfaioques


Característica: calçada lajeada por terreno florestal, em bom estado de preservação
Via romana: outras vias secundárias de Fornos de Algodres
Acesso: direcção à Várzea de Tavares para Fornos de Algodres (EN16)

Ficha técnica
Coordenadas:
Local
Quintas da Lajeosa/Fornos de Algodres
Acesso
De Fornos de Algodres (EN16), desvio à esquerda à Qtª da Lajeosa e Stº António da Ribeira (parque merendas), por caminho terra batida frente às placas indicativas Ramirão e Qtª das Relvas rumo à Várzea de Tavares
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
700 metros
Dificuldade
Fácil

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
43,3 kms

Rota IX
Viseu – Ferreirós do Dão – Tondela – Nandufe

Tondela

Museu Municipal de Tondela Terras de Besteiros

O Museu Municipal de Tondela Terras de Besteiros localizado no antigo Solar de Sant´ Ana no centro histórico de Tondela é merecedor de uma visita (acesso livre) para se conhecer sobre a realidade do passado, presente e futuro desta região de Terras de Besteiros podendo-se adquirir toda a informação documental necessária e marcação de visitas guiadas a outros sítios arqueológicos. O espaço conta uma exposição permanente distribuída por dois pisos. O piso zero dá a conhecer a evolução do Homem neste concelho, como é demonstrativo um conjunto de artefactos e arte pré-histórica provenientes de sítios arqueológicos como a Anta da Arquinha da Moura e Anta de Molelinhos, ainda podemos a ficar a saber mais sobre a Romanização e a Idade Média. No piso 1 iremos percorrer a história do século XIX e XX, a época pré-industrial, a chegada da CP, o desenvolvimento do Caramulo e o aparecimento dos Sanatórios, são também dadas a conhecer diversas actividades ancestrais relativas a este concelho.

Inscrição Romana a CAVDICI – a Claudico (séc. I?)



Ferreirós do Dão (Tondela)
Ponte Romana de Ferreirós do Dão

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Ferreirós do Dão (EN230)
Coordenadas: 40º28´02.3” N 8º 02´03.9” W

Nandufe (Tondela)
Ponte Romana de Nandufe

Estado de conservação: aberta à circulação, muita vegetação envolvente
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Nandufe nó (IP3)
Coordenadas: 40º 32´30.6” N 8º 04´12.6” W

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
37,6 kms

Rota X
Viseu – Santiago de Besteiros – Paranho de Besteiros – Fial – Guardão de Baixo – Mosteiro das Fráguas

Santiago de Besteiros (Tondela)
Ponte Romana?-Medieval da Portela
Estado actual: falta reconhecer o local
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Santiago de Besteiros
Coordenadas: ---

Ponte de Muna

Estado de conservação: rural, por baixo existência de pedra com numeração romana
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Santiago de Besteiros (EN228), seguir placa indicativa a Litrela e a 50 metros cortar à direita na Rua da Calçada Romana, passando a ponte romana da Portela rumo à matriz de Santiago de Besteiros
Coordenadas: 40º 34´53.5” N 8º 07´53.3” W

Paranho de Besteiros (Tondela)
Calçada Romana

Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Paranho de Besteiros (EN228), a 100 metros da escola primária ao fundo da povoação pela Rua do Rebolo
Coordenadas: 40º 36´41.3” N 8º 05´44.6” W

Fial (Tondela)
Calçada Romana (pequeno troço)

Característica: calçada lajeada no interior da povoação, em bom estado
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Fial (CM1380) - Rua da Ponte (rua do Pereiro)
Coordenadas: 40º 36´44.9”N 8º 03´11.5” W

Guardão de Baixo (Tondela)
Calçada Romana (pequeno troço)

Característica: calçada lajeada 
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Guardão de Baixo (EN230) - junto à Igreja Matriz subindo pela Rua da Igreja
Coordenadas: 40º 43´21.7” N 8º 09´30.4” W

Mosteiro das Fráguas (Tondela)
Calçada Romana (pequeno troço)

Característica: calçada lajeada 
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu, variante pela Serra do Caramulo e Guardão
Acesso: Mosteiro das Fráguas (EM628) – na Rua da Igreja ao Mosteiro das Fráguas
Coordenadas: 40º 34´48.0” N 8º 03´43.2” W 

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
60,5 kms

Rota XI
Viseu – S. Pedro do Sul – Vouzela – Fataúnços/Ponte Pedrinha – Figueiredo das Donas

S. Pedro do Sul
Termas Romanas de S. Pedro do Sul




Miliário no Cruzeiro de Quintela 


Local: pela rua da Ponte Velha até ao cruzamento do cruzeiro de Quintela

Ponte Romana? 

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu   
Acesso: Termas de S. Pedro do Sul (EN16), pela rua Filipe Jorge Mendes Frazão, Avenida da Ponte Velha ao Cruzeiro da Quintela
Coordenadas: 40º 44´30.7” N 8º 05´25.0” W 

Vouzela
Ponte Romana-Medieval S. Frei Gil

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu
Acesso: Vouzela (EN16)
Coordenadas: 40º 43´18.4” N 8º 06´44.1” W

Fataúnços (Vouzela)
Miliário anepígrafo
Local: no jardim da moradia defronte da "Casa da Estalagem"

Calçada Romana
Característica: falta reconhecer o local
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu
Acesso: Fataúnços (EN228junto da Fonte Velha
Coordenadas: ---

Ponte Pedrinha (Vouzela)
Ponte Romana?-Medieval da Pedrinha

Estado de conservação: desativada
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu
Acesso: Ponte Pedrinha/Fataúnços (EM602) – junto à atual ponte
Coordenadas: 40º 43´34.0” N 8º 03´58.5” W

Figueiredo das Donas (Vouzela)
Calçada Romana do Outeiro

Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Cabeço do Vouga/Marnel a Viseu
Acesso: Ponte Pedrinha (EM602)

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 43´37.3” N 8º 03´47.3” W 
Local
Ponte Pedrinha
Acesso
A 100 metros da Ponte Pedrinha seguindo trilho pedestre, sobe em terreno florestal a Figueiredo das Donas, entrando na rua Rainha Dona Amélia à Igreja da Nossa Srª das Neves
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
2,0 Kms
Dificuldade
Moderada

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
41,7 kms

Rota XII
Viseu – Santa Cruz da Trapa – Bustorenga – Manhouce – Gestoso – S. João da Serra - Conlela

S. João da Serra (Oliveira de Frades)
Calçada Romana (pequeno troço)
Característica: calçada lajeada escondida por vegetação rasteira
Via romana: ---
Acesso: S. João da Serra (EN227), sinalizada na estrada, junto ao parque desportivo na descida em frente
Coordenadas: ---

Conlela (Oliveira de Frades)
Calçada Romana (dois pequenos troços)

Característica: calçada lajeada, ambos os casos pouco visível, tapada por troncos madeira
Via romana: ---
Acesso: Conlela (EN227), sinalizada na estrada junto a cruzeiro, seguir à praia do Vau, o primeiro troço encontra-se do lado esquerdo frente a habitação e o segundo troço mais a baixo junto a armazém também do lado esquerdo
Coordenadas: 40º 46´55.3” N 8º 15´36.9” W e 40º 46´52.6” N 8º 15´47.0” W

Manhouce (S. Pedro do Sul)
Ponte Romana?-Medieval de Manhouce

Estado de conservação: pedonal
Via romana: Porto a Viseu
Classificação: Imóvel Interesse Público
Acesso: Manhouce
Coordenadas: 40º 49´31.3” N 8º 12´47.8” W 

Ponte Romana?-Medieval de Poço da Barreira 

Estado de conservação: aberta à circulação
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Manhouce, rotunda do Café/Restaurante da Barreira e calçada romana na descida para a ponte romana?-medieval de Poço da Barreira
Coordenadas: 40º 49´44.4” N 8º 12´50.3” W

Calçada Romana (pequeno troço)

Característica: calçada lajeada na saída da ponte da Barreira
Coordenadas: 40º 49´43.1” N 8º 12´48.3” W 

Gestoso
Calçada Romana


Característica: calçada lajeada por terreno montanhoso
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Gestoso, no desvio para a aldeia, antes da ponte, à esquerda, segue à Serra da Freita

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 51´03.3” N 8º 14´46.6” W
Local
Gestoso
Acesso
Na entrada para a aldeia, antes da ponte, à esquerda, calçada lajeada seguindo à Serra da Freita
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
2,0 Kms
Dificuldade
Fácil

Bustarenga (S. Pedro do Sul)
Calçada Romana 


Característica: calçada lajeada por terreno florestal
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Bustorenga (CM1236)

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 47´22.4” N 8º 11´32.5” W
Local
Bustarenga
Acesso
Ao local denominado por “Ponte dos Ovos”, por caminho estreito à direita junto a habitações
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
500 metros
Dificuldade
Fácil

Santa Cruz da Trapa (S. Pedro do Sul)
Calçada Romana 

Característica: calçada lajeada 
Via romana: Porto a Viseu
Acesso: Santa Cruz da Trapa (EN227)

Ficha técnica
Coordenadas: 40º 46´17.6” N 8º 09´21. 4” W
Local
Santa Cruz da Trapa
Acesso
Junto ao Solar dos Malafaias, séc. XVIII, a via têm início na Rua Estrada Romana
Época recomendada
PRIMAVERA,VERÃO E OUTONO
Distância percorrida
1,0 km
Dificuldade
Fácil

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
72,0 kms

Rota XIII
Viseu – Castro Daire -

Cárquere (Resende)

Cotelo (Castro Daire)
Calçada Romana de Cotelo e Gafanhão
Característica: falta reconhecer o local
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, por Caldas Aregos, Cárquere e Castro Daire a Viseu
Acesso: Cotelo, para a Gralheira
Coordenadas: ---

Porto Antigo (Cinfães)
Calçada Romana
Característica: falta reconhecer o local
Via RomanaFreixo a Viseu/Lamego, para Porto Manso/Porto Antigo e Castro Daire a Viseu
Acesso: Porto Antigo, pelo caminho da escola primária e margem direita do rio Bestança
Coordenadas: ---

Gralheira (Cinfães)
Ponte de Panchorra
Estado actual: falta reconhecer o local
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, para Porto Manso/Porto Antigo e Castro Daire a Viseu
Acesso: Gralheira, Ponte de Panchorra sobre o rio Cabrum
Coordenadas: ---

Resende
Castro Luso-Romano da Mogueira com oito inscrições (S. Martinho de Mouros)

Ponte de Frende sobre o rio Teixeira
Estado actual: falta reconhecer o local
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego por Porto de Rei, Castro da Mogueira e Lamego
Acesso: entre Ervidal e Cruzeiro
Coordenadas: ---

Estado de conservação: castro romano e calçada
Via romana: Freixo a Viseu/Lamego, por Porto de Rei, Castro da Mogueira e Lamego
Acesso: Penajoia
Coordenadas: ---

Ficha técnica
Época recomendada
TODO O ANO
Distância percorrida
00,0 kms

em execução



Sem comentários:

Publicar um comentário